Brasil tem oscilado na contratação de energia solar e eólica, diz WWF-Brasil

, Mercado, Sustentabilidade
Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Estudo divulgado hoje (29/6) pela organização não governamental WWF-Brasil mostra que o país tem necessidade de mais planejamento e regularidade nas contratações de energia eólica e solar, além de leilões anuais específicos. Segundo a pesquisa, o Brasil tem oscilado entre períodos de pouca e muita contratação de projetos eólicos, o que causa impacto negativo em toda a cadeia produtiva do setor.

As mudanças e a descontinuidade de políticas e medidas de incetivo, segundo a pesquisa, acabam por afastar investidores. “É necessário uma consolidação da política de desoneração tributária em toda a cadeia produtiva e garantir a estabilidade regulatória”, recomenda o estudo.

O levantamento sugere, ainda, que o desenvolvimento da energia solar no Brasil poderia ser feito com uma política de incentivos fiscais e tributários e linhas de financiamento para aquisição de sistemas fotovoltaicos para pessoas físicas e empresas que tenham interesse em usar a tecnologia para produzir sua própria energia e reduzir custos com a conta de luz.

“Hoje em dia, o investimento que você faz no sistema fotovoltaico, que dura 25 a 30 anos, vai ter um retorno, talvez, em menos de dez anos, se você usar o dinheiro da conta de luz para pagar o sistema”, disse o coordenador de Mudanças Climáticas e Energia do WWF-Brasil, André Costa Nahur,

Segundo o estudo, emboras as fontes eólica e solar estejam em estágios diferentes de desenvolvimento, ambas foram beneficiadas inicialmente com leilões exclusivos. “Atrelado a isso, uma política de nacionalização para o desenvolvimento tecnológico incentivaria a geração de empregos e reduziria os custos”, diz o documento em referência ao crescimento da energia solar.