Absolar e Governo Federal alinham implementação de energia solar em casas populares

, energia solar

O estudo desenvolvido pela Associação Brasileira de Energia Solar Fotovoltaica (ABSOLAR), em parceria com Furnas e a Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (FIESP), para implementação de energia solar fotovoltaica no Programa Minha Casa, Minha Vida deve se transformar em portaria.

O anúncio foi feito pelo Ministro das Cidades, Bruno Araújo, durante um encontro na sede da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp), em São Paulo, no dia 10 de agosto, com representantes da ABSOLAR, Furnas, FIESP e comitiva de entidades do setor da construção civil.

A iniciativa é fruto de análises de viabilidade e de modelos de negócio, desenvolvidas por meio de um protocolo de intenções, assinado em 2016 entre o Ministério das Cidades, Ministério do Trabalho e FIESP. Os estudos contaram com a coordenação da Fiesp e trabalhos técnicos da ABSOLAR, Furnas e demais instituições parceiras.

Em seu discurso, o Ministro das Cidades, Bruno Araújo, indicou que a medida entrará em vigor ainda em 2017. “Na próxima semana, realizaremos a assinatura de uma Portaria para incorporar, já a partir deste ano, a energia solar fotovoltaica no Programa Minha Casa Minha Vida”, esclareceu o Ministro.

O presidente da FIESP, Paulo Skaf, agradeceu o apoio das entidades parceiras no desenvolvimento dos trabalhos. “Esta iniciativa marca um passo rumo à renovação, à modernidade, com a incorporação de novas alternativas e geração de emprego, renda e riqueza para o nosso país”, ressaltou Skaf.

O presidente executivo da ABSOLAR, Rodrigo Sauaia, elogiou o anúncio do Ministro e destacou os benefícios da energia solar fotovoltaica ao país. “A energia solar fotovoltaica deixou de ser cara e está acessível a todas as faixas de renda, como comprovado hoje pela inserção desta tecnologia no Programa Minha Casa Minha Vida. Com um sistema de dois módulos fotovoltaicos e um microinversor será possível reduzir em até 70% os gastos com energia elétrica da população de baixa renda”, celebrou Sauaia.

Deixe uma resposta