Belo Monte desiste de disputar leilão

55
Vista aérea da Usina Hidrelétrica de Belo Monte na área onde estão colocadas 18 turbinas. Foto Marizilda Cruppe.

A hidrelétrica de Belo Monte não disputará o próximo leilão de energia do tipo A-5, marcado para a próxima sexta-feira e que negociará contratos para início de entrega em 2021. Segundo o presidente da Norte Energia, dona do empreendimento, Duilio Figueiredo, o preço-teto definido para a usina, de R$ 115 por megawatt-hora (MWh) não é atrativo.

“Estamos inscritos no leilão. Mas já comunicamos nosso conselho [de administração] na reunião semana passada que declinamos e não vamos participar. Já informamos formalmente ao Ministério de Minas e Energia e à Empresa de Pesquisa Energética”, explicou o executivo ao Valor.

Segundo ele, continuam “em andamento” as negociações entre o conselho de administração da Norte Energia e a Eletrobras para a venda para a estatal da parcela de 20% da energia da hidrelétrica destinada ao mercado livre e que ainda está descontratada. “Estamos aguardando o resultado”, disse.

Figueiredo explicou ainda que assim que tiver a definição sobre a venda desse montante de energia, da ordem de 900 MW médios, será possível obter a última tranche do financiamento firmado com o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), no valor de R$ 2 bilhões.

O presidente da Norte Energia celebrou o fato de a hidrelétrica ter iniciado quarta-feira a operação comercial de sua primeira turbina, de 611,11 megawatts (MW), exatamente seis anos após a companhia ter vencido o leilão do empreendimento, em 20 de abril de 2010, conforme antecipado pelo Valor PRO, serviço de informações em tempo real do Valor.

“O início de operação comercial de Belo Monte é uma vitória da Norte Energia e uma vitória do Brasil”, comemorou Figueiredo, destacando que a operação comercial ocorreu apenas 20 dias após o previsto em compromisso firmado com a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel).

Segundo o executivo, também está prevista para a próxima semana a autorização da autarquia para a operação comercial da primeira turbina da casa de força complementar do empreendimento, o sítio Pimental, de 38,8 MW. A máquina já está funcionando em caráter de testes.

A expectativa da Norte Energia é que a cada dois meses entre em operação comercial uma nova turbina de Belo Monte. Ao todo serão 18 máquinas na casa de força principal e seis no sítio Pimental, totalizando 11.233 MW, capacidade que deve ser atingida em janeiro de 2019.