quarta-feira, Março 20, 2019
Notícias Mercado Brasil terá déficit de combustíveis de 1,2 mi de barris por dia...

Brasil terá déficit de combustíveis de 1,2 mi de barris por dia em 2030, diz ANP

156
A diretora-geral da Agência Nacional do Petróleo, Gás Natural e Biocombustíveis (ANP), Magda Chambriard, falou a uma plateia de executivos do setor sobre a necessidade de investimento na produção e logística de combustíveis, por conta da perspectiva de déficit de 1,2 milhão de barris por dia (bpd), sem o Complexo Petroquímico do Rio de Janeiro (Comperj), e de 1,142 milhão de bpd com a refinaria.

Magda apresentou estudo que irão subsidiar o governo e direcionar investimentos em dez anos. “Há gargalos logísticos no Brasil. A ANP tem que ser ouvida. O Brasil vai precisar de investimento a partir de 2017. Há nichos de mercado para investimento”, disse, complementando que este ano será de conversas.

Em um cenário de autossuficiência, seria necessário concluir o Comperj e a Refinaria do Nordeste, além de construir duas novas refinarias – uma no Maranhão e outra no Triângulo Mineiro, para atender, sobretudo, a demanda em todo País, com destaque para as regiões Sudeste e Centro-Oeste. “A discussão se terá refinaria é menos importante. Provavelmente, teremos um mix (de produção própria e importação)”, afirmou. O debate, segundo Magda, deve girar em torno da medida de cada uma das alternativas.

O desafio da aposta na dependência da importação, em sua opinião, está no custo da formação de um estoque estratégico para garantir o abastecimento em uma situação de dificuldade de acessar o mercado externo. “Um déficit de 1 milhão de barris por dia não se enfrenta com estoque de três ou cinco dias. A gente vai precisar de mais estratégia e isso vai ter um custo. Se a gente for por esse caminho, alguém vai ter que pagar a conta”, afirmou.

Para optar pela importação, será necessário ainda investir em logística – melhorias dos portos e ampliação da malha dutoviária, principalmente.

Presente no evento, o presidente do Instituto Brasileiro do Petróleo, Gás e Biocombustíveis (iBP), Jorge Camargo, questionou a viabilidade do investimento, já que a Petrobras não tem caixa e “o investidor não aceita interferência do governo e não vai investir”. Magda respondeu: “Conversando. Não tem outro jeito. Estamos dando o pontapé mostrando como a ANP vê isso. Vamos ter que gastar 2016 conversando.”