Capacidade instalada de usinas eólicas cresce 58% em 12 meses até outubro

81
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

Em outubro, a capacidade instalada total de geração de energia elétrica do Brasil atingiu 139.272 MW. Em comparação com o mesmo mês em 2014, houve expansão de 2.349 MW de geração de fonte hidráulica, de 2.458 MW de fontes térmicas e de 2.452 MW de geração eólica. Nesse período, foram acrescentados 7.266 MW de energia nova, considerando todas as fontes. As informações são do Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro, de outubro, elaborado pelo Ministério de Minas e Energia (MME).

O destaque novamente é para geração eólica. No mês de outubro, a fonte registrou 6.680 MW de capacidade instalada, 58% superior ao mesmo período de 2014, quando somava 4.228 MW. A previsão é que a participação da energia eólica registre expansão de 1.393 MW até o final de 2015, crescimento de cerca de 65% em comparação ao ano anterior.

A capacidade instalada de usinas hidráulicas correspondeu a 65% do total existente no Brasil, 2,7% superior ao verificado no mês de outubro de 2014.  Já as térmicas corresponderam a 30,1% na matriz, representando 6,2% de expansão nos últimos 12 meses.

Entraram em operação comercial no mês de outubro 366 MW  de  capacidade  instalada  de  geração,  1.159 km  de linhas de  transmissão e 400 MVA  de  transformação  na  Rede  Básica.  No ano,  a  expansão  do  sistema  é de 4.424 MW  de  capacidade  instalada  de  geração, 2.102 km  de  linhas  de  transmissão  de  Rede  Básica  e  9.930 MVA de transformação na Rede Básica.

O Boletim Mensal de Monitoramento do Sistema Elétrico Brasileiro é um documento elaborado pela Secretaria de Energia Elétrica do MME, com informações atualizadas e consolidadas sobre a operação eletroenergética no Brasil. O documento permite o registro e acompanhamento de temas relevantes do Setor Elétrico, tais como a expansão e o desempenho dos sistemas de geração, transmissão e distribuição, as condições hidrometeorológicas e a política operativa adotada, o comportamento do mercado consumidor e as ocorrências de maior impacto ao Sistema Elétrico Brasileiro.