terça-feira, junho 18, 2019
Notícias Mercado Eletrobras Chesf expande produção eólica no Nordeste

Eletrobras Chesf expande produção eólica no Nordeste

145
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação

A Eletrobras Chesf, em parceria com a iniciativa privada, por meio de Sociedades de Propósito Específico (SPEs), colocou em operação comercial 13 novos parques eólicos, em dezembro de 2015.

Os investimentos são da ordem de R$ 2,1 bilhões, com participação societária de 49% da Eletrobras Chesf e de 51% dos sócios privados – ContourGlobal, Casa dos Ventos, PEC Energia, Brennand Energia e Voltalia.

Esses empreendimentos adicionaram ao sistema elétrico nacional cerca de 345 MW de potência, energia suficiente para abastecer 630 mil residências ou uma população de três milhões de pessoas.

Os novos parques eólicos começaram a operar antes do prazo contratual da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) e já contam com interligação ao sistema de transmissão, garantindo energia elétrica para o Nordeste neste momento em que as eólicas já atendem a 30% da demanda de consumo na região.

Os parques que entraram em operação no mês de dezembro foram: quatro do Complexo Eólico VamCruz, em Serra do Mel (RN), com potência de 93 MW; três do Complexo Eólico Sento Sé II, na Bahia, com 98,7 MW; quatro do Complexo Eólico de Serra das Vacas, em Paranatama (PE), com 90,75 MW; e dois parques (60 MW), de um total de seis, do empreendimento Chapada do Piauí II, em Marcolândia e Caldeirão Grande (PI). Em janeiro, os outros quatro parques de Chapada do Piauí II entraram em operação, adicionando mais 112,4 MW de potência.

Transmissão
Para permitir o escoamento da energia produzida por outros parques eólicos, a Eletrobras Chesf também entregou no mês de dezembro a subestação Lagoa Nova II, de 230kV/69kV, com capacidade de transformação de energia de 150 MVA, no município de Lagoa Nova (RN). O investimento próprio da empresa foi de R$ 20 milhões.

“O esforço da Chesf tem sido para entregar as obras, antecipando os prazos. Para isso, foram modificados os processos para alcançar os melhores resultados, com o esforço de todo o corpo funcional da companhia, fornecedores e parceiros”, disse o diretor de Engenharia e Construção da empresa, Antônio Varejão. “Temos muito mais a fazer e entregar em 2016”, acrescentou.