Leilão de energia tem deságio de 59,07%

154

O Leilão de Geração de Energia “A-4”, realizado ontem, quarta-feira (4/4), resultou na contratação de 39 projetos de geração de energia elétrica, com capacidade instalada total de 1.024,5 Megawatts (MW) de potência. A energia contratada, que totaliza 298,7 MW médios, irá suprir a demanda projetada de dezessete concessionárias de distribuição de energia elétrica para o ano de 2022. O Leilão foi realizado pela Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) na sede da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), em São Paulo (SP).

O preço médio da energia negociada no leilão foi de R$ 124,75 /MWh, alcançando um deságio médio de 59,07 % com investimentos previstos da ordem de R$ 5,277 bilhões. Foram contratados projetos a partir de fontes renováveis, equivalentes a 100% da potência total negociada no leilão.

Sobre o resultado do Leilão, o ministro Fernando Coelho Filho destacou que “a reorganização do setor possibilitou que o ambiente de negócios atraísse investimentos tão importantes na retomada do crescimento da economia, garantindo a ampliação da matriz de energia cada vez mais renovável a preços competitivos. A realização exitosa destes leilões é prova inequívoca de que uma gestão eficiente e comprometida com o País traz bons resultados para a sociedade”, afirmou.

Dos 39 projetos contratados, 29 projetos são de usinas solares fotovoltaicas, somando 1.032,55 MWp a um preço médio de R$ 118,07 / MWh, deságio médio de 62,2 % em relação ao preço teto.

Da fonte hídrica, quatro usinas foram contratadas: duas Centrais Geradora Hidrelétrica (CGH*) e duas Pequenas Central Hidrelétrica (PCH**), totalizando 41,66 MW, a um preço médio de R$ 198,12 / MWh.

Também foram contratadas quatro usinas eólicas, com total de 114,4 MW, ao preço médio de R$ 67,60 / MWh, representando o maior deságio médio do certame, de 73,5%.  Os dois projetos térmicos a biomassa contratados (proveniente de bagaço de cana), totalizaram 61,8 MW de capacidade, ao preço médio de R$ 198,94 / MWh.

O Leilão representa mais um grande passo na inserção da fonte solar fotovoltaica para o atendimento ao mercado dos agentes de distribuição. A contratação de mais de 1 GWp de energia solar fotovoltaica permite diversificar a matriz a partir de fonte renovável não hídrica, contribuindo para continuidade da inserção da fonte na matriz elétrica, conforme compromisso assumido no Acordo de Paris.

As 39 usinas contratadas estão localizadas nos estados de Bahia (4), Ceará (14), Espírito Santo (1), Mato Grosso (1), Minas Gerais (8), Pernambuco (3), Piauí (6) e Rio Grande do Sul (2).

Considerando a contratação dos Leilões de Energia Nova “A-4” e “A-6” de 2017, realizados em dezembro de 2017, foram contratadas nos três leilões 127 usinas de diversas fontes totalizando investimentos previstos da ordem de R$ 23,5 bilhões até 2023. A diversificação da matriz elétrica se dá com a expansão da capacidade de geração por meio de usinas das seguintes fontes: usinas, com 5.540,6 MW, diversificando a matriz elétricas a partir das seguintes fontes: solar (49), eólica (55), hidrelétrica (12), biomassa (9) e gás natural (2).

No segundo quadrimestre será realizado o Leilão de Energia Nova “A-6” de 2018, com negociação de energia para atendimento da demanda de 2024. Além dos Leilões de Energia Nova também está prevista a realização, no último trimestre de 2018, de Leilões de Energia Existente “A-1” e “A-2”, de 2018, para atendimento da demanda de 2019 e 2020, conforme cronograma publicado na segunda-feira, 2 de abril.