terça-feira, Fevereiro 19, 2019
Notícias Mercado Pesquisadores da USP colaboram com relatório da ONU sobre biocombustíveis de segunda...

Pesquisadores da USP colaboram com relatório da ONU sobre biocombustíveis de segunda geração

90
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Foto: Divulgação
Publicado pela UNCTAD – United Nations Conference on Trade and Development, documento aponta evolução do mercado de biocombustíveis de segunda geração

A professora Lara Bartocci Liboni, do Departamento de Administração da Faculdade de Economia, Administração e Contabilidade de Ribeirão Preto da USP (FEA-RP) e quatro alunos de pós-graduação participaram da elaboração do relatório “Second-Generation Biofuel Markets: State of Play, Trade and Developing Country Perspectives”, divulgado na terça-feira (23/2) pela United Nations Conference on Trade and Development (UNCTAD), ligada à ONU.

O relatório aponta que os biocombustíveis avançados feitos a partir de biomassa não alimentar, também conhecidos como biocombustíveis de segunda geração, tornaram-se uma realidade comercial. Essa realidade ocorre em meio ao contexto de tecnologias avançadas, pressões econômicas e políticas para agir sobre as alterações climáticas.

Sob o impacto dos compromissos ambientais assumidos com os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável e do acordo firmado no Paris COP21, o relatório se concentra em como o mercado de biocombustíveis de segunda geração pode ser explorado e como tornar a tecnologia disponível em países em desenvolvimento.

Com um foco específico em etanol celulósico, um novo tipo de biocombustível produzido a partir de bagaço, madeira, grama ou de partes não comestíveis de plantas, o relatório oferece uma análise abrangente do setor de biocombustíveis de segunda geração.

De acordo com o relatório, o Brasil é o quarto país em capacidade instalada de produção de etanol de segunda geração, atrás apenas de Estados Unidos, China e Canadá. Hoje, a capacidade instalada brasileira é de 177,34 milhões de litros, o que representa 12% do total instalado no mundo.

O relatório destaca, entretanto, que o Brasil não definiu metas de consumo de etanol de segunda geração, mas que tem introduzido incentivos para promover tanto a pesquisa e desenvolvimento quanto o início de produção.

Juntamente com a professora Lara Bartocci Liboni, participaram da elaboração do relatório aos alunos do Programa de Pós-graduação em Administração de Organizações Marcelo Elias dos Santos e Marlon Fernandes Rodrigues Alves, do curso de doutorado, e os alunos do mestrado Larissa Marchiori Pacheco e Bruno Garcia de Oliveira.  Os pesquisadores foram os únicos representantes de uma instituição de ensino brasileira na pesquisa.

“Participar de um projeto desses é importante não só pelo avanço na pesquisa, mas também pela oportunidade da troca de conhecimento”, afirma a professora. O relatório está disponível, em inglês, no site http://unctad.org/en/pages/PublicationWebflyer.aspx?publicationid=1455.