sábado, Março 23, 2019
Notícias Política Projeto de lei quer trocar diesel por gás encanado nos ônibus de...

Projeto de lei quer trocar diesel por gás encanado nos ônibus de São Paulo

125

Ônibus movidos a gás, considerados menos poluentes, já passaram por testes na rede de transporte coletivo da capital. E não foram adiante. Mas, renovados e apoiados por uma nova lei, eles podem ressurgir.

A estratégia segue dois itinerários. De um lado, fabricantes desenvolveram motores a gás mais eficientes e silenciosos. De outro, um projeto de lei que inclui o gás entre os combustíveis a serem adotados para substituir o diesel dos ônibus tramita na Câmara Municipal.

Aprovado em comissões internas, o texto foi debatido na Casa no mês passado. O próximo passo é submetê-lo à votação dos vereadores. Por enquanto, não há data prevista para a análise no plenário.

Se tiver a bênção na Câmara, o projeto seguirá para o prefeito Fernando Haddad (PT), que pode vetá-lo ou sancioná-lo.

“A cidade precisa apostar num cardápio de combustíveis, como gás, energia elétrica e biodiesel”, afirma o vereador Gilberto Natalini (PV), autor da ideia.

Com o plano, o vereador espera colocar em prática o item da Lei Municipal de Mudanças Climáticas, de 2009, que estabelece que todos os coletivos da cidade passem a usar apenas combustíveis não fósseis. A mudança deve ser feita até 2018.

A dois anos da meta, entretanto, a cidade segue com 95% dos seus 14.713 ônibus movidos a diesel.

A lei atual não determina punição caso a meta seja ignorada. O projeto do vereador determina cinco anos para a troca, além de multa para viações que desrespeitem a regra.

Novos modelos de ônibus saem de fábrica preparados para funcionar com gás natural ou biometano, recolhido em aterros sanitários. O modelo da Scania, que usa motor importado, custa 25% a mais do que um ônibus a diesel. “É possível compensar o custo extra em dois anos e meio de uso, pois o gás custa menos”, diz Silvio Munhoz, diretor de Vendas de Ônibus da Scania

“O desempenho do veículo a gás é similar ao do diesel”, explica Décio Del Debbio, engenheiro e consultor de fabricação de ônibus.

Veículos a gás foram testados em São Paulo na década passada, mas esbarraram na dificuldade de abastecimento. “Isso mudou. Hoje temos rede de gás passando em frente de 95% das garagens de ônibus de São Paulo”, diz Ricardo Vallejo, gerente de marketing da Comgás.

A SPTrans, que gerencia a rede de ônibus da cidade, informou que não comenta projetos de lei. Hoje, a prefeitura diz trabalhar na criação de um cronograma para substituir os veículos a diesel, as não detalha os prazos do plano.