Projeto levará energia solar a universidades e escolas técnicas federais

22
Foto: Divulgação

O Ministério de Minas e Energia, em parceria com o Ministério da Educação, lançará em breve um programa de geração solar distribuídas nas universidades federais. O Ministro de Minas e Energia, Eduardo Braga, anunciou nesta quinta-feira (29/10) que está em estudo a construção de coberturas com painéis de geração de energia pela luz do sol nos estacionamentos das universidades federais, que reduzirá o consumo da rede e poderá até torna-las autossuficientes em eletricidade, ou mesmo fornecedoras de energia para o Sistema Interligado Nacional (SIN).

A ação se insere em diversas medidas de eficiência energética que estão sendo planejadas pelo Ministério de Minas e Energia, afirmou o ministro durante audiência na Comissão Mista de Mudanças Climáticas do Senado. Devem participar do programa o BNDES e o Ministério de Ciência e Tecnologia.

Braga afirmou que o país pode ganhar muito com ações de eficiência energética. Uma das metas do Brasil estabelecidas durante visita da presidenta Dilma Rousseff aos Estados Unidos foi a de alcançar 10% de ganhos de eficiência elétrica no país em 2030.

“Com esse sol que está no Brasil, a gente produzir o conforto de um estacionamento coberto e que ao mesmo tempo gere energia, ou seja, nós estamos trabalhando para encontrar soluções que nos levem à meta de termos duas Belo Monte de eficiência energética. Esse é um dos temas em que nós temos muito a crescer. Nós temos aí uma grande oportunidade, com baixo investimento, para crescer muito”, disse.

Segundo Braga, as escolas técnicas públicas também devem fazer parte do programa, com a instalação de painéis fotovoltaicos e com a criação de laboratórios e criação de cursos sobre a geração solar fotovoltaica, para formar técnicos capazes de atender à demanda crescente por instalações de geração solar distribuída.

“Todas as escolas técnicas do Iphan e do Pronatec estão sendo analisadas para que possamos colocar energia solar, e ter laboratórios técnicos para estudar a energia solar. Porque distribuir painéis solares de cabo a rabo no país e não ter técnico que possa dar a manutenção e operar, é colocar placas que não vão resolver. Também queremos fazer isso para os hospitais universitários”, afirmou Braga.

Outras ações de eficiência energética que estão em estudo e foram citadas pelo ministro são a criação de um programa com recursos do próprio setor para financiar a modernização da iluminação pública em pequenos municípios brasileiros, com lâmpadas de LED e energizadas com energia solar fotovoltaica. Os incentivos aos equipamentos de redes inteligentes – os Smart Grids, e fomento a adoção de aquecimento solar térmico também se inserem nesse conjunto de ações.