quinta-feira, Maio 23, 2019
Notícias Economia Reunião de países petroleiros em Doha termina sem acordo

Reunião de países petroleiros em Doha termina sem acordo

109

As negociações deste domingo em Doha entre os principais produtores de petróleo do mundo terminou sem acordo, informou o ministro de energia do Catar.

Mohammed bin Saleh al-Sada disse que após seis horas de negociação, os produtores de petróleo concluíram que eles precisam de “mais tempo”.

“A conclusão geral é de que nós precisamos de mais tempo para consultas entre nós da Opep (Organização dos Países Exportadores de Petróleo) e os produtores de fora da Opep”, afirmou Sada.

Em relação às consequências, Sada disse que “há muitos fatores” que influenciam os preços e afirmou que os fundamentos do mercado do petróleo continuam sendo positivos.

Um projeto, assinado em fevereiro por Arábia Saudita, Rússia, Catar e Venezuela, busca congelar a produção de petróleo a fim de compensar a oferta excessiva até que demanda se recupere, no terceiro trimestre de 2016.

O Irã, que não compareceu à reunião, esteve no centro das discussões, já que Teerã se opõe a congelar a produção, após ficar anos fora do mercado pelas sanções internacionais, suspensas recentemente depois do acordo sobre o programa nuclear com as grandes potências.

“Nós respeitamos a sua (do Irã) posição. Certamente o congelamento seria mais eficaz se mais produtores, incluindo o Irã, participassem”, disse Sada. Isso ajudaria a reequilibrar o mercado

Segundo uma fonte citada pelo veículo imprensa oficial russo, a agência Ria-Novosti, a Arábia Saudita exigiu como condição que todos os países da Opep participem do acordo.

“Riad pôs como condição a participação de todos os países da Opep, incluído o Irã”, disse uma fonte de uma das delegações.

As divergências entre Irã e Arábia Saudita, dois rivais regionais nos conflitos do Oriente Médio, já haviam surgido antes da reunião.

“A reunião de Doha é para as pessoas que querem participar no plano de congelamento da produção”, declarou o ministro iraniano do Petróleo, Bijan Namdar Zanganeh, citado no site de seu ministério.

“Na medida em que não está previsto que o Irã assine esse plano, a presença de um representante do Irã na reunião não é necessária”, acrescentou.

Os dois países também discordam sobre a estratégia dos preços. Enquanto o Irã tenta recuperar o tempo perdido, a Arábia Saudita se nega a reduzir a produção, apesar da queda dos preços, com o objetivo de tirar do mercado concorrentes como os produtores americanos de petróleo de xisto.

Desde junho de 2014, os preços do petróleo caíram mais de 60%, provocando perdas milionárias para os países produtores, que atingiram duramente economias como a da Venezuela.

Antes da reunião, a Opep advertiu que o excesso de oferta pode continuar se acentuando, na medida em que há previsões de menor crescimento para a economia mundial.