terça-feira, Abril 23, 2019
Notícias Economia Siemens confirma contrato para projeto integrado de GNL-para-Energia no Brasil

Siemens confirma contrato para projeto integrado de GNL-para-Energia no Brasil

155

A Siemens confirmou um contrato para a construção de uma nova usina de ciclo combinado em regime turnkey para o projeto integrado de GNL-para-Energia de Gás Natural Açu (GNA 1) em Porto de Açu, no estado do Rio de Janeiro. A Siemens está fazendo um investimento de capital e detém um terço da empresa Gás Natural Açu (GNA), que é responsável pelo projeto, juntamente com a Prumo Logística S.A. e a BP.

Além disso, a Siemens assinou um contrato de serviços de longo prazo e irá operar e realizar a manutenção da usina para ajudar a garantir confiabilidade, disponibilidade e desempenho operacional. O projeto é o primeiro no Brasil a utilizar a turbina a gás classe-H da Siemens, altamente eficiente e comprovada. Com uma capacidade de cerca de 1.3 gigawatt (GW), a usina fornecerá energia limpa a custos acessíveis para o Brasil. O valor total do projeto GNA 1 é de aproximadamente EUR1 bilhão (R$4.5 bilhões).

A construção do projeto começou em 2018. Projetado para iniciar operações em 2021, GNA 1 terá capacidade de fornecer energia para uma cidade de até 4 milhões de habitantes. “A nossa participação em GNA demonstra o compromisso da Siemens com novas estratégias comerciais que respondem aos crescentes desafios de um mercado de energia cada vez mais exigente”, disse Lisa Davis, CEO da Siemens Gas and Power e membro da Diretoria Executiva da Siemens AG.

“Ao integrar a nossa oferta ao longo da cadeia de valor de energia, o projeto GNA 1 valida claramente o nosso conceito abrangente de GNL-para-Energia, que aumenta o valor para os nossos parceiros e atende melhor as necessidades das comunidades em que atuamos. Desejamos seguir adiante com nossa abordagem de mercado inovadora, junto aos nossos parceiros globais, e apoiando tarifas elétricas garantidas para os nossos clientes. Estou confiante de que veremos mais desse modelo de negócio no futuro”, disse Davis.

Nas palavras de André Clark, Presidente e CEO da Siemens no Brasil, “Por meio da combinação estratégica das nossas competências em serviços financeiros e soluções para geração de energia, a Siemens criou uma estrutura de capitalização que corrobora com nosso compromisso para o sucesso de longo prazo deste projeto”.

GNA1 é o primeiro projeto totalmente integrado de GNL-para-Energia desta modalidade para a Siemens – incluindo a construção de uma termelétrica de 1,3 GW, bem como um terminal de regaseificação de GNL, uma subestação e uma linha de transmissão para conectar a usina à rede. A Siemens desenvolveu o projeto junto com a BP e a Prumo, e está construindo a usina de ciclo combinado em regime turnkey em consórcio com a construtora Andrade Gutierrez.

No projeto, a gigante alemã é responsável pela entrega da ilha completa de potência com três turbinas a gás classe-H, uma turbina a vapor, quatro geradores e caldeiras de recuperação de calor (HRSG) e sistemas de instrumentação e controle. A empresa também fornecerá serviços, operação e manutenção (O&M) de longo prazo à usina. O escopo dos serviços inclui monitoramento e diagnóstico remoto avançado, que é parte do portfólio da Siemens Digital Services.

A usina de ciclo combinado movido a Gás Natural Liquefeito (GNL) da GNA 1 será uma das termelétricas mais eficientes da América Latina. Ela é parte da primeira fase do Açu Gas Hub, um projeto em desenvolvimento no Complexo Portuário do Açu para prover uma solução logística para o recebimento, processamento, consumo e transporte de gás natural das bacias de Campos e de Santos, bem como para importar e armazenar GNL.

Em dezembro de 2017, a subsidiária do projeto, GNA 2, saiu vencedora do Leilão Brasileiro de Eletricidade e, em meados de 2018, o Ministério das Minas e Energia outorgou a implantação de uma segunda termelétrica no Porto de Açu. Com uma capacidade total de 3 gigawatts (GW), Açu será o maior complexo termelétrico da América Latina. Uma segunda fase incluirá projetos adicionais de termelétricas dentro da licença ambiental de 6,4 GW que a GNA possui.