Sorocaba será a primeira região do Estado de São Paulo a ter um grupo multisetorial para incentivar as energias renováveis

64

Empresas, universidades, agências de promoção e de fomento, prefeitura de Sorocaba, representante do legislativo e a Secretaria Estadual de Energia e Mineração iniciaram no dia 29 de abril, na sede da Investe SP, um projeto de fomento ao setor de energias renováveis na região de Sorocaba.

A ideia é juntar os esforços e conhecimentos do setor acadêmico e produtivo, aliado ao fomento e legislação do setor público para criar um ambiente favorável ao crescimento das energias renováveis no Estado de São Paulo, tanto na produção de partes, peças e produtos quanto na produção e geração dessas energias.

O ponto de partida será a região de Sorocaba, que já conta com uma das maiores cadeias metalmecânicas da América Latina. “Temos um estado forte, universidades de ponta, inovação e um setor industrial dos mais competentes do mundo. Se nos juntarmos tenho certeza que poderemos criar uma cadeia produtiva de energias renováveis de sucesso”, afirmou o deputado federal, Vitor Lippi, um dos líderes desse projeto.

O encontro contou com a participação de representantes das empresas Tecsis, Wobben, ABB, Flextronics, Johnson Controls, Huawei, Nari, Prysmian Group, entre outros.

Na reunião, os participantes definiram a criação de grupos técnicos para estudar especificamente cada uma das ações que poderão ser realizadas para fomentar o setor no Estado de São Paulo. O subsecretário Estadual de Energias Renováveis, Antonio Celso de Abreu Jr, também fará parte dos grupos.

O presidente da Investe SP, Juan Quirós, destacou a importância da inciativa e colocou a estrutura do estado à disposição das empresas que queiram investir. “Essa será uma excelente oportunidade para as empresas gerarem novos negócios. As agências de fomento do Estado como a Desenvolve SP e a Fapesp podem ser parceiras essenciais para financiar esses projetos e a universidade para fornecer capital humano”.

Incentivo ao setor

Em agosto de 2015, o governador de São Paulo, Geraldo Alckmin, publicou dois decretos que incentivam a produção de energia elétrica por micro e minigeradores e de peças para os setores de energia solar e eólica.

O decreto nº 61.439/2015 concede isenção de ICMS sobre a energia elétrica fornecida para microgeradores e minigeradores na quantidade correspondente à energia elétrica injetada na rede de distribuição. Já o decreto nº 61.440/2015, concede isenção de ICMS para a produção de equipamentos destinados a geração de energia eólica e solarimétrica. A medida isenta o ICMS das partes e peças de aerogeradores, geradores fotovoltaicos e torres para suporte de energia eólica.

São Paulo e as energias renováveis

São Paulo vem ampliando sua importância na geração de energia fotovoltaica. A primeira usina do Estado é a de Tanquinho, no município de Campinas, com potência de 1.082 KWp e capacidade de gerar 1,6 GWh por ano. Essa energia é suficiente para suprir cerca de 1.300 residências com consumo de 100 KWh/mês cada. A segunda usina fotovoltaica está na Cidade Universitária da USP, na capital paulista.

O Estado também conta com empreendimentos que estão sendo instalados em Dracena e Guaimbê com potência de 270 MWp e da Cesp, em Rosana, com potência de 550 kW. Existem ainda em São Paulo, conectados ao sistema, 111 empreendimentos de micro e mini geração distribuída.