Tendências prometem levar mais energia renovável à América Latina

45
Ilustração da revista Fale! www.revistafale.com.br

Apesar de a eletricidade chegar a 96% dos latino-americanos, isso não quer dizer que falta pouco para a região superar seus desafios na área. “A infraestrutura ainda é insuficiente ou datada, faltam reformas de mercado e não há acesso o bastante em alguns países”, informa o relatório anual do Programa de Assistência ao Gerenciamento do Setor de Energia (ESMAP), administrado pelo Banco Mundial.

A boa notícia é que a região pouco a pouco enfrenta esses problemas com experiências inovadoras, que vão além de levar eletricidade a quem precisa: também buscam dar fim a tecnologias poluentes, fortalecer o uso de fontes renováveis, modernizar a infraestrutura contra mudanças climáticas.

Conheça a seguir cinco tendências que prometem levar mais energia à América Latina nos próximos anos.

1) Mais cozinhas “limpas”

Vinte milhões de pessoas (cerca de metade da população da América Central) cozinham usando lareiras ou fogões rudimentares, e 86% delas se concentram em Honduras, Guatemala e Nicarágua. Na região, 37.000 mortes prematuras por ano são atribuídas à poluição do ar doméstico por causa da queima de lenha.

A Iniciativa Centro-Americana de Cozinhas Limpas (CACCI) fez uma avaliação na Guatemala e na Nicarágua e concluiu que elas necessitam, respectivamente, 80,3 milhões e 87,3 milhões de dólares até 2030 para tornar as cozinhas mais limpas. Um projeto da CACCI nos dois países busca atrair investimentos de 28,3 milhões dólares e 26,7 milhões para o setor, respectivamente, até 2020.

2) Iluminação pública de baixo consumo

Em seu plano de infraestrutura para 2017, o Rio de Janeiro deve começar a adotar lâmpadas de LED – cerca de 60% mais eficientes que as convencionais – em seus 400.000 pontos de iluminação. Belo Horizonte já fez isso em seus 178.000 pontos, por meio de uma parceria público-privada.

Ambas as cidades fizeram a troca depois que os governos locais utilizaram a Ferramenta para a Rápida Avaliação da Energia das Cidades, criada pelo ESMAP, que ajuda os formuladores de políticas públicas a identificar e escolher entre as melhores alternativas energéticas.

Num futuro próximo, o uso de LED poderá se tornar realidade em ainda mais partes do Brasil: o Banco Mundial está terminando um levantamento dos sistemas de iluminação de 300 cidades e lançará um estudo sobre os modelos de negócios mais adequados para ajudar os municípios nessa transição.

3) Agricultura inteligente

Os produtores rurais do México e da Costa Rica em breve poderão saber os custos de energia e as emissões de gases de efeito estufa nas cadeias de valor da agricultura. O cálculo será feito pela ferramenta de avaliação energética do setor, desenvolvida com apoio do ESMAP.

No México, a ferramenta calculará a energia usada nas cadeias de abastecimento da carne e suas contribuições para as emissões de gases de efeito estufa. Com isso, o governo poderá desenvolver ações para reduzir as emissões de carbono na pecuária.

Na Costa Rica, a ferramenta irá analisar as cadeias do café e do leite para aperfeiçoar o uso de energia e água em ambos. O objetivo de longo prazo é fazer com que a ferramenta seja usada em toda a América Latina.

4) Impulso a tecnologias renováveis

Para os países adotarem cada vez mais fontes renováveis de energia, é importante criar e fortalecer o marco regulatório do setor. É o que o Chile está fazendo para impulsionar a energia geotérmica, por exemplo.

O objetivo do trabalho é melhorar a capacidade de gestão do setor, mobilizar investimentos em energia geotérmica e reforçar as condições de mercado para promover o desenvolvimento sustentável da atividade. O Banco Mundial fornecerá assistência técnica direta ao país, mobilizando especialistas e realizando estudos para embasar as decisões do governo do Chile.

5) Rede elétrica resistente a desastres

Belize, considerada pelas Nações Unidas um dos países mais vulneráveis aos efeitos das mudanças climáticas, recentemente avaliou o impacto que furacões e enchentes, entre outros fenômenos, teriam sobre a rede elétrica.

Até 2100, a temperatura média do país deve aumentar 3.5°C, o que deve torná-lo mais dependente de combustíveis fósseis e da importação de eletricidade. As informações do estudo vão ajudar a embasar um novo projeto para tornar o sistema mais resistente ao clima, apoiado pelo Fundo Global para o Meio Ambiente (GEF).