Unica recebe R$ 5,2 milhões do governo para promover açúcar e etanol

81

A Apex-Brasil (Agência Brasileira de Promoção de Exportações e Investimentos) e a Unica (União da Indústria de Cana-de-açúcar) oficializaram um novo convênio para o investimento de R$ 9,358 milhões para promoção do etanol e açúcar brasileiro no exterior. Esse é o quarto contrato entre as entidades, e o pimeiro a incluir o açúcar no escopo.

Do valor total do projeto, a Apex vai entrar com R$ 5,196 milhões, cerca de 55%. O restante, R$ 4,161 milhões (44%) será aplicado pelos associados da Unica.

Desde que os convênios entre Apex e Unica começaram, a participação percentual do governo nunca foi tão grande. No contrato anterior, encerrado em março desse ano, o governo foi responsável por 50% dos R$ 8,409 milhões contratados.

O contrato começou a valer em maio deste ano e a assinatura foi realizada em junho, sem cerimônia. A fraca publicidade para o acordo deste ano, contrasta com o convênio assinado em 2008, quando os principais envolvidos discursaram sobre a importância do projeto.

Na época, o momento era outro e a expectativa era transformar o etanol em uma commodity global. De lá para cá esta esperança não se concretizou e o mundo agora lança olhares — e investimentos —para o carro elétrico em detrimento aos combustíveis líquidos.

Mas, para a Apex, o cenário ainda é positivo e promissor. “No contexto de sustentabilidade mundial, o etanol brasileiro tem condições de ser protagonista”, aposta o coordenador de Projetos Setoriais da Apex-Brasil, Igor Brandão. Ele destacou que, tendo em vista o volume financeiro empreendido, a associação com a Unica representa um dos principais convênios no setor de agronegócio da Apex no momento

Com duração até maio de 2018, o maior diferencial do projeto corrente é a ampliação do total de países alvo para exaltar o etanol brasileiro e o aumento do número de ações de promoção comercial.

Por enquanto, é baixo o total de sucroalcooleiras que demonstraram interesse na participação nas missões e rodadas de negócios do projeto.

No entanto, os atores envolvidos no convênio apostam que os benefícios se estenderão para todo o setor quando consideradas as particularidades dessa parceria Apex-Unica. Sendo a principal, o foco em influenciar o ambiente regulatório nos países-alvo das exportações brasileiras, junto com o trabalho de imagem e percepção internacional do etanol de cana.

A contribuição é aprovada em assembleia e acordada entre todas as suas 120 indústrias associadas. “Essas ações acabam atingindo quem tem maior vocação para as exportações, mas não são excludentes. O fortalecimento e a preservação da imagem dos produtos brasileiros acabam beneficiando todo o setor”, afirma Elizabeth Farina.

Segundo a Unica, o convênio deste ano com a Apex representa 10% do orçamento da entidade. Isto coloca o orçamento anual atual da Unica girando em torno de R$ 20 milhões.

A adesão ao projeto é livre e de iniciativa das empresas, sendo permitida a entrada de todas as empresas nacionais do setor, associadas à Unica ou não.

A usina deve arcar com os custos de participação – passagens, diárias e traslados e de envio de amostras de produtos. “Mas, em contrapartida, [as empresas] têm direito a uma série de benefícios, como acesso a compradores internacionais, autoridades de governos estrangeiros e organizações industriais de outros países, além de receberem apoio da inteligência de mercado da Apex e terem a oportunidade de participação em missões oficiais do Governo Brasileiro”, ressalta Brandão.

Apesar disso, o número de empresas interessadas neste novo convênio caiu para 35, o menor desde 2013. Mas a adesão ainda pode ser feita para os eventos que ainda não tiveram a programação finalizada. “A participação no projeto está sempre aberta. O que queremos mesmo que é nos procurem”, destacou a Apex.