segunda-feira, Março 25, 2019
Notícias Economia Verão coloca empresas de energia em alerta

Verão coloca empresas de energia em alerta

185

Período tem mais ocorrências de eventos de tempo severo, como chuvas fortes, granizo, ventanias e enchentes em grande parte do país.

Com a chegada do verão, trazendo calor e umidade, há ocorrência significativa de eventos de tempo severo, como chuvas fortes, ventanias e granizo. Com isso, setores como o de energia acabam ficando à mercê do tempo. De dezembro a fevereiro, são grandes as chances de quedas de árvore, enchentes e deslizamentos que acabam ocasionando interrupções temporárias de fornecimento, os chamados apaguinhos.

Para evitar transtornos, grande parte das empresas desse segmento tenta se precaver como pode. Mesmo assim, às vezes é impossível competir com a força da natureza. Um exemplo claro foram as chuvas no Rio de Janeiro no início de novembro. A passagem de uma frente fria intensificou as áreas de instabilidade sobre o estado, que formaram nuvens carregadas, responsáveis por grandes volumes de chuva durante o período. “Houve registro de raios, com 95 descargas elétricas, principalmente sobre a área que compreende Niterói, Magé, Serrana, São Gonçalo, Lagos e Macaé, o que interrompeu o fornecimento de energia na região”, diz Bianca Lobo Silva, meteorologista da Climatempo.

Esses dados analíticos integram o laudo COBRADE (Classificação e Codificação Brasileira de Desastres), criado com o intuito de adequar a classificação brasileira ao ranking utilizado pela ONU na análise de desastres e também de nivelar o país aos demais organismos de gestão de desastres do mundo. O modelo do laudo que é aceito hoje como padrão pela ANEEL foi elaborado em 2015 pela Climatempo, e é válido para eventos de tempo severo que afetam Torres de Transmissão, Subestações, Redes de Distribuição e Aerogeradores.

“Desenvolvemos um documento que descreve, de maneira sintética e didática, todos os eventos de tempo severo que possam ter ocasionado alguma interrupção ou problema. Esse material traz, por exemplo, dados de índice pluviométrico, duração da chuva, sobre quais localidades ela atuou com mais força, número de raios, entre outros conteúdos que comprovam a interferência do clima nas entregas de serviços do setor”, explica Gustavo Ortiz, responsável pela área de Desenvolvimento de Novos Negócios da Climatempo.

Os laudos são elaborados sob medida para descrever e analisar os eventos meteorológicos ocorridos em qualquer região do país, utilizando dados observados por estações meteorológicas, radares, satélites e sensores de descargas elétricas. Os consultores da empresa possuem grande experiência no atendimento ao setor e estão sempre à disposição.