quarta-feira, Abril 24, 2019
Notícias Mercado Verão pouco chuvoso derruba atratividade das fontes limpas em janeiro

Verão pouco chuvoso derruba atratividade das fontes limpas em janeiro

216

A atratividade das fontes limpas no mercado livre de energia recuou em janeiro e registrou média “0,629” no Índice Nacional de Atratividade do Mercado Livre para Fontes Limpas de Energia, realizado pela FDR Energia, empresa de geração e comercialização de eletricidade do Grupo FDR.

Dezembro havia apresentado o melhor resultado de 2018, com nota “0,723”. Segundo estudo, as chuvas abaixo das expectativas no início do verão aumentaram os preços no ambiente de contratação livre no primeiro de 2019.

Mesmo assim, os resultados alcançados não podem ser considerados ruins. De acordo com o estudo, as médias entre 0,6 e 0,8 são classificadas como de boa viabilidade de migração do mercado cativo. Dezessete estados brasileiros pontuaram nesta categoria, sendo que os primeiros colocados foram Tocantins (0,733), Pará (0,721), Espírito Santo (0,707), Goiás (0,704) e Rio de Janeiro (0,704).

Os demais nove estados registraram viabilidade moderada, com avaliação entre 0,4 e 0,6. O Amapá manteve-se na lanterna do ranking. Roraima não participa da classificação, pois está fora do Sistema Interligado de Energia (Veja na tabela abaixo o ranking e as médias dos estados).

“As chuvas de verão alcançaram apenas 70% da expectativa prevista e isso  puxou pra cima os preços no mercado livre de energia”, explica Erick Azevedo, sócio diretor do Grupo FDR e coordenador do estudo. “Mas o resultado de janeiro não significa que essa seja uma tendência para os próximos meses, porque acreditamos que o período chuvoso volte ao normal em fevereiro e março”, completa.

Sobre o Índice FDR

O índice, tal qual o modelo do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), elaborado pela Organização das Nações Unidas (ONU), é calculado em um intervalo de “0,000” (para a menor atratividade) e “1,000” para a maior atratividade.

O índice foi calculado com base no preço médio comercializado no mercado livre entre as fontes incentivadas (energia proveniente de Pequenas Centrais Hidrelétricas e usinas eólicas, solares e de biomassa) comparadas com as tarifas de distribuidoras que representam 98% do mercado cativo brasileiro.

VEJA O RANKING COMPLETO DO MÊS DE JANEIRO