Região Nordeste concentra mais de 45% das fontes de energia eólica e solar no país

Fontes transformaram a região em exportadora líquida de energia

O Governo Federal, por meio do Ministério de Minas e Energia (MME) e da Secretaria de Planejamento e Desenvolvimento Energético (SPE), divulgou no final de fevereiro um informe técnico que demonstra o avanço das fontes eólica e solar no Nordeste do país.

Segundo o informe, a energia eólica e a solar somaram 45,5% na matriz de geração de 2020 e, pela primeira vez, transformaram a região de importadora para exportadora líquida de energia elétrica. A nova configuração da geração no Brasil modificou os intercâmbios entre estados e regiões, proporcionando maior diversidade de soluções de suprimento.

André Cavalcanti, CEO da companhia Elétron Energy, ressalta a importância desse crescimento.

“Há uma grande importância social e também econômica na democratização do acesso à energia limpa em nosso país.

Além disso, o progresso das fontes limpas impacta positivamente na preservação do planeta, que vive um momento crucial em relação a repensar a forma de consumo”, explica Cavalcanti.

Com o percentual atingido, as fontes ultrapassam a matriz energética hidráulica, que segundo o informe alcançou 32,9% no mesmo período.

Expansão das matrizes limpas

No século 20, a expansão hidrelétrica ocorreu prioritariamente nas regiões Sudeste e Sul, que responderam por quase 70% da geração hidráulica do Brasil ao final de 2000. Em 2020, o indicador nesses locais já recuou para 48%, conforme dados do Ministério de Minas e Energia.

Por outro lado, há a expansão das matrizes limpas. A seca enfrentada no país em 2021 mostra que o caminho para uma matriz de geração menos dependente da hidráulica é fundamental. “Existe um potencial gigantesco a ser desbravado quando falamos de energia solar, por exemplo. Mesmo considerando o Marco Legal da Geração Distribuída, sancionado pelo Governo Federal no início de janeiro de 2022 – a energia solar permanece como alternativa muito mais econômica e melhor para o meio ambiente”, ressalta André.

As usinas solares de grande porte são a sexta maior fonte de geração de energia do Brasil e sua geração é até dez vezes mais barata do que as fontes elétricas, considerando sobretudo os constantes aumentos tarifários.

Até 2025, a Aneel estima que os investimentos totais previstos nesse tipo de geração são de R$ 25,8 bilhões.

Leia mais:

Transmissão de energia elétrica: Projeto Borborema, na Paraíba, gera mais de 700 vagas de emprego

 

Próximo Post

Most Popular